30/05/2009

Existe Vida após o Casamento?

Sentir-se realizado é o sinal de que o casamento vale à pena
Quando acontece e na fase em que é planejado, o casamento é considerado como uma das melhores coisas que podem acontecer na vida de um homem e de uma mulher. No entanto, em alguns casos, com o decorrer do tempo, a convivência, o excesso de rotina e outros fatores transformam o grande acontecimento da vida em um fardo pesado de ser carregado. Nesse momento, começa-se a ter a sensação que o casamento "deu errado", que o príncipe virou sapo e a princesa perdeu o encanto.
Mas como avaliar se o casamento está dando certo? Podemos dizer que o casamento deu certo quando ele é fonte de felicidade, prazer, alegria e satisfação, quando ele é baseado na relação homem e mulher e não apenas pais e filhos. O casamento deu certo quando a paixão é contínua e quando os gestos de carinho não acontecem somente em público, para passar a impressão para os outros de que "está tudo bem, ainda somos um casal."
Não é porque viramos mães ou pais que deixamos de ser atraentes e devemos deixar de nos preocupar com a performance, a qualidade e a freqüência sexual do casal. Se a monotonia de alguma forma existe na relação, é porque ela bateu na porta de casa e alguém permitiu que ela entrasse e lá ficasse instalada. Se ela tivesse pulado uma janela ou chegado com ares de visita indesejada, certamente alguém se incomodaria com tal abuso e a colocaria para fora.
Não estou aqui pregando o total extermínio da rotina e a abolição de regras e métodos entre os casais. Pelo contrário, a rotina é necessária para transmitir segurança a ambos e as regras servem para que sempre exista o respeito mútuo entre os pares. Me refiro ao excesso de monotonia, a fazer todos os finais de semana os mesmos programas, freqüentar os mesmos restaurantes, ir aos mesmos cinemas, brigar pelos mesmos motivos, reclamar das mesmas questões.
Essa rotina sim pode minar um casamento e muitos não percebem. Ou pior, percebem e vão levando a situação. É comum vermos pessoas que na intimidade da casa não se olham e não conversam, pois pensam que depois de algum tempo juntos não há nada mais para ser falado ou ser visto. São pessoas que não vêem ou que não querem ver que o casamento acabou, que não resta mais respeito, admiração, amor, carinho, afeto ou felicidade. Nem a convivência resistiu. Ou viver com uma pessoa sob o mesmo teto e não conversar, ou só trocar ofensas pode ser chamado de convivência?
Mas o que as impede de partir em busca da felicidade, mesmo que seja com o mesmo parceiro? De um modo geral, os principais fatores que impedem uma mudança são o conformismo de "estar acostumado" com aquela pessoa, as dificuldades financeiras, a falta de auto-estima e os filhos. Com relação aos filhos, posso dizer com base em inúmeros estudos e pesquisas que eles sofrerão menos em um ambiente harmonioso, no qual a felicidade e o bem-estar imperem, independentemente se os pais estão juntos.
Então reveja o seu relacionamento, faça uma reflexão interior e pense se você está realizado. Se você identificar que ainda vale a pena lutar por esse amor, pois o seu companheiro (ou companheira) ainda te completa e te faz muito feliz, corra para afastar a rotina, sair do comodismo, abandonar a zona de conforto e retomar a história que vocês viviam antes, sem medo de parecer ridículo. Afinal às vezes é melhor sentir-se ridículo do que infeliz.
Fonte: Yahoo

2 comentários:

Ana Paula disse...

Nossa muito boa essa materia.
Creio que as pessoas devem se casar pq se amam e gostei de vc uma cinderela pra la de feliz com seu casamento tenha abordado esse tema, afinal nem todas tem a sorte de viver como num conto de fadas, mas ainda da tempo de correr atras e serem felizes.

bjos lindinha

Tati disse...

é pra refletir mesmo.