25/11/2009

Medo de amar ou ser amada?

O amor por si só é uma palavra doce, bonita que remete felicidade, paz de espirito, realização pessoal, comunhão de dois corações...

Encontrar o amor ou ser amado representa um turbilhão de emoções.
E quantas pessoas vivem na ilusão de seus sentimentos ou perdem o disgosto da vida por causa dessa simples palavrinha que as vezes é sentida mas não dita!

Eu mesma já sofri inumeras vezes antes de encontrar meu príncipe encantado, por fantasiar um amor que era apenas da minha parte. Hoje seguramente afirmo que é melhor antecipar o sofrimento do que viver na ilusão, na esperança de que o outro a veja com a mesma emoção e intensidade... e viver literalmente perdendo a vida.

Há também aqueles que por terem sofrido ou acharem que o amor é uma formula careta de se viver, simplismnte acomodam-se ao que o outro tem a oferecer - mas não amam.

E por que será ocorre tudo isso?



Acredito que o grande medo de amar, por alguns, é tão grande quanto o medo de não ser amado. Na realidade, acredito que por traz do medo de amar está o medo maior de sofrer, de ser rejeitado, ou mesmo abandonado. Mas essa atitude nos leva a equação: “ O medo de não sermos amados nos impede de amar”.

Neste mundo MODERNO muitas pessoas se sentem envergonhadas de amar, como se fosse algo ridículo e bobo. Mas somos seres nascidos para o amor e, no entanto, tentamos negar nossa própria essência.

Todo mundo que ama está sujeito a passar por maus momentos por causa de uma separação.
Não importa quem tomou a iniciativa, o fato é que não existe separação sem dor.Um sofrimento difícil de ser explicado, compreendido e, principalmente, sentido. Com a alma e o coração partidos, as feridas emocionais arranham a auto-estima e o amor-próprio.

A raiva e a tristeza se apoderam da nossa vida e nos enfraquecem, destroem nossos sonhos, devoram o nosso entusiasmo e paralisam a nossa vida.
Acima de tudo, é preciso manter a fé, pois pior do que passar por isso é sonegar emoção, é evitar o risco e o compromisso, escondendo-se atrás das grades da razão.

Talvez, HOJE, seja o dia propício para fazer uma pausa e pensar:

“Será que alguma experiência dolorosa do passado continua exercendo influência sobre meu jeito de amar e sobre a profundidade de meus relacionamentos?”


Beijos

6 comentários:

FEFA disse...

creio que sim... nós somos repletos por uma bagagem de sentimentos distintos... às vezes, por já termos sofrido por ter amado alguém no passado, nos achamos no direito de tirar de nós mesmos a capacidade de amar, afetando e fazendo sofrer, desta forma, o outro e a nós mesmos. é realmente uma pena que as pessoas deixem de amar por medo de sofrer.

beijos Ma@

Jake disse...

Acho que o medo maior está na rejeição... e na pressa, na correria, ninguem mais hoje quer conquistar uma amor, só querem pegar, o que fazemos nós romanticos perdidos nesse mundo...


Beijos.

Malu disse...

“ O medo de não sermos amados nos impede de amar”.

Seu texto é liiiindooo!
Vc parece o William Shakespeare!
Alguém já fez essa comparação?

beijus

Najily disse...

Amigaaaa amei o novo templante do blog....
Lindo como sempre.
Bjoos!

ruth disse...

medo é o pior sentimento que uma pessoa pode sentir.
Muitas coisas deixamos de fazer por medo do que as pessoas vao pensar dizer ou simplimente por nao querermos sair da nossa zona de conforto.

beijoquitas!

Silvio Koerich disse...

Hoje em dia nao existe amor. Apenas os relacionamentos são trocas de sexo e uma compania pra ir pro shopping ver cinema e ir em festas de família fazer social.

Sentimento? Nao, acomodação, status e acostumamento